Posts com Tag ‘testes’

Azeites: extravirgens só no rótulo
31 outubro 2013

A PROTESTE testou 19 marcas de azeites extravirgens e constatamos que, 7 são virgens e 4 têm indícios de fraude contra o consumidor, já que pelos padrões da lei, não podem ser considerados azeites.

Se você costuma optar pelos azeites extravirgens por acreditar que eles sejam mais puros, saborosos e saudáveis, é melhor tomar cuidado, pois você pode estar sendo enganado.

Das marcas de azeites que testamos, boa parte dos que se dizem “extravirgens”, na verdade, não passa de “virgens” e alguns são até “lampantes”.

A PROTESTE já realizou quatro testes com esse produto, e, este foi o que teve pior resultado, com o maior número de fraudes contra o consumidor.

Verificamos se havia produtos adulterados, ou seja, comercializados fora das especificações estabelecidas por lei. E, também que preço e renome nem sempre são sinônimos de maior qualidade. O melhor do teste foi, de fato, o que custa mais caro entre os testados. Porém, nossa avaliação mostra que há outros produtos de boa qualidade que custam bem menos.

Fizemos a análise sensorial em laboratório reconhecido pelo Conselho Oleico Internacional (COI). Eles avaliaram a qualidade das amostras quanto ao aroma, à textura e ao sabor de acordo com parâmetros técnicos. Segundo a legislação, em azeites extravirgens não podem ser encontrados defeitos na análise sensorial.

Analisamos diversos parâmetros físico-químicos para detectar possíveis fraudes:

  • Presença de óleos refinados;
  • Adição de óleos obtidos por extração com solventes;
  • Adição e identificação de outros óleos e gorduras;
  • Adição de outras gorduras vegetais;

Na análise sensorial, apenas oito marcas tinham qualidade de azeite extravirgem de acordo com os especialistas. Entre as outras, sete alcançaram defeitos que, pela legislação, as caracterizavam como azeites virgens. São elas:

  • Borges
  • Carbonell
  • Beirão
  • Gallo
  • La Espanhola
  • Pramesa
  • Serrata

As quatro marcas com problemas de fraude foram também consideradas, pela análise sensorial, como azeites lampantes. São elas:

  • Tradição
  • Quinta da Aldeia
  • Figueira da Foz 
  • Vila Real

 

Nosso teste revelou que nem todos os produtos testados não podem sequer ser considerados azeites segundo os padrões da lei, mesmo com acidez dentro do limite.

azeites de oliva reprovados

O produto que recebeu a avaliação de melhor do teste foi o Olivas do Sul, que foi o melhor produto na análise sensorial, o seu valor varia de R$ 19,76 a R$ 23,90.

azeite de oliva oliva do sul

E, o produto que recebeu a avaliação de escolha certa foi da marca Carrefour (origem Itália) que também teve um bom desempenho geral no teste e seu valor varia entre R$ 7,69 e R$ 15,29.

azeite de oliva carrefour

Caso você não encontre a nossa escolha certa na hora de realizar sua compra, você pode optar por outros produtos que também receberam uma avaliação positiva em nosso teste, confira os resultados na nossa tabela.

 

teste de azeite proteste

Teste de azeite de oliva: pior resultado entre os quatro já realizados pela Proteste
25/12/2013

A Proteste Associação de Consumidores testou 19 marcas de azeite extravirgem e constatou que quatro têm indícios de fraude contra o consumidor. Na análise sensorial, apenas oito delas apresentam qualidade de extravirgem. Sete são virgens. Uma das marcas avaliadas, Borges, cujo azeite era virgem, em lugar de extra virgem, como indicado na rotulagem, tentou obter censura prévia na justiça antes mesmo da divulgação dos resultados. O juiz Gustavo Coube de Carvalho, da Nona Vara do Fórum Central de São Paulo contudo, negou a liminar.

O juiz disse na sentença que não há previsão de censura prévia no ordenamento jurídico brasileiro, cabendo ao ofendido “o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem“, nos termos do art. 5º, incisos IV e V, da Constituição Federal.

De quatro testes que a Proteste já realizou com esse produto, este foi o que teve pior resultado, com o maior número de fraudes contra o consumidor. Foram detectados indícios de fraude nas marcas de azeite de oliva extravirgem: Figueira da Foz, Tradição, Quinta d’Aldeia e Vila Real. Os quatro produtos foram desclassificados do teste, pois não poder sequer ser considerados azeites. As propriedades antioxidantes do azeite de oliva são os grandes atrativos desse produto, devido ao seu efeito benéfico à saúde. Mas para que o azeite mantenha suas características, é importante que ele não seja misturado a outras substâncias. Assim, as fraudes, além de serem um abuso contra o consumidor, podem reduzir ou até eliminar as qualidades benéficas para a saúde.

Os quatro, na verdade, são uma mistura de óleos refinados, com adição de outros óleos e gorduras. Em diversos parâmetros de análise, essas marcas apresentaram valores que não estão de acordo com a legislação vigente. Os testes realizados indicaram que os produtos não só apresentam falta de qualidade, como também apontaram a adição de óleos de sementes de oleaginosas, o que caracteriza a fraude.

Outros sete não chegam a cometer fraude como esses, mas também não podem ser vendidos como extravirgens. O consumidor paga mais caro acreditando estar comprando o melhor tipo de azeite e leva para casa um produto de qualidade inferior.

Não é a primeira vez que a Proteste detectou fraude nesse tipo de alimento e, novamente, vai notificar o Ministério Público, a Anvisa e o Ministério da Agricultura, exigindo fiscalização mais eficiente. Nos três testes anteriores, foram detectados problemas. Em 2002, foram avaliados os virgens tradicionais e foi encontrado fraude. Em 2007, a situação se repetiu com os extravirgens. Em 2009, uma marca se dizia ser extravirgem e não era. Isso demonstra que os fabricantes ainda não recebem a fiscalização necessária.

É considerado fraude quando o produto é comercializado fora das especificações estabelecidas por lei. Para as análises, foram considerados diversos parâmetros físico-químicos para detectar possíveis fraudes: espectrofotometria (presença de óleos refinados); quantidade de ceras, estigmastadieno, eritrodiol e uvaol (adição de óleos obtidos por extração com solventes); composição em ácidos graxos e esteróis (adição e identificação de outros óleos e gorduras); isômeros transoleicos, translinoleicos, translinolênicos e ECN42 (adição de outras gorduras vegetais).

Na análise sensorial, defeitos ficam óbvios

Para a análise sensorial, convidamos especialistas para avaliar a qualidade das amostras quanto ao aroma, à textura e ao sabor de acordo com parâmetros técnicos. Segundo a legislação, em azeites extravirgens não podem ser encontrados defeitos na análise sensorial. Nessa avaliação, apenas oito marcas tinham qualidade de azeite extravirgem de acordo com os especialistas. Entre as outras, sete tinham defeitos que, pela legislação, os caracterizavam como azeites virgens. São elas: Borges, Carbonell, Beirão, Gallo, La Espanhola, Pramesa e Serrata. As quatro marcas com problemas de fraude foram consideradas, pela análise sensorial, como azeites lampantes.

Para os especialistas, o produto mais apreciado foi o Olivas do Sul. Outros bem avaliados foram os azeites Cocinero e Carrefour.

Todas as marcas testadas foram: Olivas do Sul; Carrefour; Cardeal; Cocinero; Andorinha; La Violetera; Vila Flor; La Espanhola; Carbonell; Serrata; Beirão; Qualitá; Gallo; Pramesa; Borges; Tradição; Quinta da Aldeia; Figueira da Foz e Vila Real.

Entre as marcas testadas podem ser considerados extravirgem: (Olivas do Sul; Carrefour; Cardeal; Cocinero; Andorinha; La Violetera; Vila Flor; Qualitá); são virgens: (La Espanhola; Carbonell; Serrata; Beirão; Gallo; Pramesa; Borges); e são mistura de óleos refinados: (Tradição; Quinta da Aldeia; Figueira da Foz e Vila Real).

A Proteste também verificou que nem sempre vale a pena optar pelo mais caro. Preço e renome nem sempre são sinônimos de maior qualidade. O melhor do teste foi, de fato, o que custa mais caro entre os testados. Porém, a avaliação mostra que há outros produtos de boa qualidade que custam bem menos.

Referências:
http://www.proteste.org.br/alimentacao/nc/noticia/azeites-extravirgens-so-no-rotulo
http://www.proteste.org.br/alimentacao/nc/noticia/azeites-a-escolha-certa
http://jornalggn.com.br/blog/proteste-associacao-de-consumidores/teste-de-azeite-de-oliva-pior-resultado-entre-os-quatro-ja-realizados-pela-proteste

Ranking das 50 vitaminas e packs mais vendidas e analisadas pela Labdoor nos Estados Unidos.

avaliação de multivitamínicos

Aprenda, se informe e adquira informação para não ser enganado pelo marketing das empresas!

https://labdoor.com/rankings/multivitamins

Ranking de qualidade
Comparação de produtos baseado na precisão do rótulo, pureza de produção, valor nutricional, segurança dos nutrientes e eficácia planejada.

Multivitamínicos para homens

  1. Irwin Naturals Living Green Liquid-Gel Multi
  2. Garden of Life Vitamin Code For Men
  3. NOW Foods Adam Men’s Multivitamin
  4. Rainbow Light Men’s One
  5. GNC Mega Men Energy & Metabolism
  6. GNC Mega Men
  7. Garden of Life Vitamin Code Raw One For Men
  8. Optimum Nutrition Opti-Men
  9. MaxiSorb Max For Men
  10. MET-Rx Active Man
  11. New Chapter Every Man’s One Daily Multi
  12. Nature Made Multi For Him
  13. Applied Nutrition Men’s Liquid Soft-Gel Multivitamin
  14. One A Day Men’s Health Formula
  15. Nature Made Men’s Pack
  16. Trusted Nutrients Men’s Daily Complete
  17. Vitafusion Men’s
  18. One A Day Men’s VitaCraves Gummies
  19. Centrum Silver Men 50+

 

Multivitamínicos para mulheres

  1. NOW Foods Eve Women’s Multivitamin
  2. Garden of Life Vitamin Code For Women
  3. Rainbow Light Women’s One
  4. GNC Women’s Ultra Mega
  5. Optimum Nutrition Opti-Women
  6. Nature Made Multi For Her
  7. MegaFood Women Over 40, One Daily
  8. One A Day Women’s Multivitamin Plus Healthy Skin Support
  9. New Chapter Every Woman’s One Daily Multi
  10. One A Day Women’s 50+ Healthy Advantage
  11. Vitafusion Women’s