Posts com Tag ‘suplemento’

Para nós, praticantes de musculação, essa farinha tem várias vantagens
-Economizar tempo de cozinhar a batata doce, principalmente quem treina de manhã e usa o café da manhã como pré-treino
-Praticidade de ter guardado e usar rapidamente
-Facilidade no transporte, podendo ser usado para shakes pré-treino
-Como ingrediente em hipercalórico caseiro, com carboidrato de baixo índice glicêmico.

Rendimento

2kg de batata doce natural rende 524 gramas farinha
50g de farinha equivale a comer 200g de batata doce in natura

farinha de batata doce

 

Por Neide Rigo

Fiquei convencida do valor nutricional e gastronômico da farinha de batata-doce durante o Congresso de Incentivo ao Consumo de Verduras, Frutas e Legumes de 2009, em Brasília. Os pesquisadores da Embrapa Hortaliças que faz um bonito trabalho de resgate de variedades esquecidas, mais nutritivas. Com estas batatas fizeram farinha num processo de tecnologia simples e barata. Foi lá que peguei uma apostila e aprendi a fazer a farinha adaptando o que seria indicado para pequenos agricultores para processo caseiro. Embora um pouco demorado, por causa do tempo de secagem, o restante é feito facilmente se você tiver um processador, um liquidificador e peneira. A Embrapa tem material informativo a respeito, mas você também pode ver uma apostila similar aqui (http://www.cpatc.embrapa.br/publicacoes_2012/ct_65.pdf).

Levando em conta que 2 quilos de batatas renderam pouco mais que meio quilo, podemos dizer que, dependendo da umidade da batata, o rendimento é aproximadamente este – 25% do peso inicial. A apostila linkada também confirma que 4 quilos de batatas rendem 1 quilo de farinha. Isto quer dizer que se você usar 100 g de farinha é praticamente o mesmo que consumir 400 g de batata-doce in natura e, com exceção de alguns nutrientes que sofrem perdas com o calor e oxidação, muitos outros estarão concentrados num produto agora não-perecível. Ótima opção para aproveitar excesso de produção e garantir suprimento para a entressafra; para incrementar dietas mais pobres ou de crianças inapetentes; melhorar o valor nutricional da merenda escolar e aproveitar como farinha sem glúten para bolos, pães, pudins, mingaus, farofas, biscoitos e o que mais a imaginação soprar. Incluí em pães de trigo na proporção de 40, 30 e 20%. Com 40, ficou pesado e grudento. Com 30% cresceu menos e o miolo ficou um pouco ressecado e com 20% ficou perfeito (ok, isto eventualmente pode ser uma “quinta com pouco trigo” também)

Então, além de poder ser usado pura em algumas preparações sem glúten, você pode incrementar todos os pratos feitos tradicionalmente com farinha de trigo.

Modo de preparo

farinha de batata doce passo 1

Lave as batatas, descasque-as e rale no processador ou em ralo grosso.

farinha de batata doce passo 2

Pesei para ver o rendimento. Usei 2 quilos, mas, para experimentar o seu forno e conhecer a eficácia dele, comece com menos, lembrando que o rendimento é de 1/4 do peso inicial.

farinha de batata doce passo 3

Espalhe em assadeiras, sem amontoar e leve ao forno em temperatura bem baixa, mais baixa que conseguir. Eu coloquei o cabo de uma colher na porta para diminuir a temperatura, que ficou entre 74 e 80 graus.

farinha de batata doce passo 4

De vez em quando remexa. Até que fique tudo bem seco e solto. Se os flocos estiverem flexíveis é porque ainda não secou o suficiente. Tem que ficar durinhos com barulho de pedrinhas.

farinha de batata doce passo 5

O rendimento: 2 kg renderam 531 g de flocos secos

farinha de batata doce passo 6

Bata no liquidificador aos poucos – 1 xícara de cada vez, até tudo virar pó.

farinha de batata doce passo 7

Passe pela peneira fina. No final, se sobrou muitos grãos, bata mais, até rescar só um pouco, que pode ser usada para polvilhar a superfície dos pães, por exemplo.

farinha de batata doce passo 8

O rendimento final: 524 gramas. Dez gramas ficaram pelo caminho.
O sabor final não é só um pouco doce, mas deliciosa. A minha, usei quase toda para fazer pães. Aproveite a sua para panquecas, bolos e bolinhos, biscoitos etc. E depois me conte. Ou aguarde receitas aqui quando eu fizer mais farinha.

Meus comentários
Para quem gosta de coisas prontas e não tem tempo de fazer a farinha, foi lançado esse mês o suplemento Carbo+, batata doce em pó. Inclusive ele é indicado pelo fisiculturista Fernando Sardinha.

carbo+ batata doce em pó

Você pode comprar no site
http://www.carbomais.com.br

suplementos de proteína e amino spiking

 

Alerta: Suplementos de proteína com Amino Spiking

Nos dias de hoje, todo mundo que pratica musculação consome suplementos de proteína. Para muitos, tomar whey protein ou qualquer outro suplemento proteico é quase tão importante quanto o próprio treino. Tudo bem, nada de errado com isso. Para desenvolver a massa muscular é mesmo necessário garantir um aporte suficiente de proteína todos os dias e o whey protein é uma fonte proteica de grande qualidade conhecida pelo seu alto valor biológico.

O problema é que a indústria da suplementação sabe disso e procura tirar vantagem dessa grande popularidade dos suplementos de proteína. Aí você pergunta: como isso pode ser um problema? O fato de existir uma grande oferta de proteínas no mercado faz com que os suplementos sejam mais baratos, ocorram mais promoções, etc. Quem ganha é o consumidor, certo?

Pois, na verdade, as coisas não são assim tão simples. O que acontece é que, de modo a cortar seus custos de produção nos suplementos de proteína, muitas marcas estão adotando práticas enganadores e até mesmo desleais para com o consumidor. E não estamos falando dessas marcas que colocam carboidrato no lugar de proteína. Essas marcas farinheiras apenas merecem nosso desprezo e a sua falência.

O mundo enganador do Amino Spiking
A verdade é que mesmo as marcas que não adulteram seus produtos de proteína com carboidrato no lugar de proteína também podem não ser completamente inocentes. Estamos falando de marcas que adicionam aminoácidos livres aos seus suplementos proteicos, aminoácidos esses que não contribuem para a síntese proteica muscular mas que, por serem baratos, permitem aumentar o conteúdo total de proteína com custos menores para a marca.

Essa técnica é conhecida dentro da indústria como “Amino Spiking”. Profissionais da indústria da suplementação já fizeram vídeos alertando para esse procedimento enganador. No artigo “Como escolher um suplemento de proteína (whey)“, o profissional Marcos Sabino alertou para a técnica do Amino Spiking praticada por várias empresas. Em outro vídeo, Félix Bonfim, outro profissional da área, alertou para o mesmo fato (veja o vídeo aqui, a partir dos 14:07).

É importante os consumidores estarem alertados para isso antes de comprarem seus suplementos proteicos, para evitarem pagar caro por um suplemento de fraca qualidade.

amino spiking fraude
Como funciona o Amino Spiking?
Todas as marcas têm de apresentar a quantidade de proteína que o produto oferece por dose. Essa quantificação da proteína é feita através da medição do valor total de nitrogênio. O nitrogênio é uma molécula presente em todos os aminoácidos. Medindo a quantidade total de nitrogênio, os laboratórios conseguem estimar a quantidade total de proteína no produto.

Ao adicionarem aminoácidos baratos ao produto, os fabricantes podem manipular esse teste e aumentar artificialmente a quantidade de proteína no produto de forma muito mais barata. Afinal de contas, para quê você vai colocar 100% de whey protein no produto se pode colocar apenas uns 60% e adicionar aminoácidos baratos para aumentar o total de proteína, fazendo-o passar por um 100%?

Os principais aminoácidos utilizados no amino spiking são a glicina, a taurina, a arginina, a alanina, o ácido glutâmico e a creatina (todos eles aminoácidos não-essenciais, já reparou?). Desses, os mais frequentes são a glicina e a taurina (um fabricante consegue comprar glicina e taurina ao preço da chuva). Esses aminoácidos são utilizados porque eles contêm nitrogênio e são menos dispendiosos do que as proteínas completas, tais como a proteína de soro de leite ou a caseína.

O site noticioso “News Inferno” cita Tim Ziegenfuss, diretor do Centro de Ciências Aplicadas à Saúde, dizendo: “A arginina tem aproximadamente três vezes mais nitrogênio do que a proteína de soro de leite e a creatina tem aproximadamente uma vez e meia mais nitrogênio e custa menos de metade do preço. Dar um spiking na proteína com esses nutracêuticos é uma forma barata de elevar o nível de nitrogênio de uma proteína em pó, sem a adição de mais proteínas de alta qualidade“.

Você leu bem? A arginina contém três vezes mais nitrogênio que o whey protein! A creatina contém uma vez e meia mais nitrogênio.

Se ainda não deu para perceber bem a gravidade da situação, vamos fazer um exercício. Imagine um whey concentrado com 80% de proteína (80 gramas de proteína por cada 100 gramas de produto). Imagine também que a marca adicionou arginina e creatina em sua fórmula (já nem vamos falar dos outros aminoácidos usados para o amino spiking).

Esses 80% são pura ilusão! O produto não contém 80 gramas de proteína, ele contém menos que isso. O que aconteceu foi que a marca conseguiu aumentar a quantidade total de proteína através da adição de dois aminoácidos baratos.

Esses aminoácidos até podem ter funções importantes (como é o caso da creatina), mas nesse contexto eles apenas foram utilizados para benefício do fabricante e não do consumidor.
Como detetar o Amino Spiking nos suplementos proteicos?
A boa notícia é que é fácil identificar quando uma marca está adotando a técnica do amino spiking. Por lei, os fabricantes devem listar todos os ingredientes utilizados em seu produto. Então, se na lista dos ingredientes você vir algum aminoácido listado, é porque ele foi adicionado à fórmula.

Não se deixe enganar por uma marca que diz que seu produto foi “enriquecido com aminoácidos extra”. Lembre-se que esses aminoácidos foram acrescentados ao produto não para o tornarem melhor mas apenas para tornar sua produção mais barata e assim o fabricante poder aumentar sua margem de lucro.

E quando os aminoácidos adicionados são BCAAs, isso não é bom?“, você pode perguntar. Na grande maioria dos casos, os BCAAs (leucina, isoleucina e valina) apenas são adicionados para que o produto não fique tão fraco.

Quando você vê na embalagem “Enriquecido com BCAA”, geralmente essa afirmação de marketing apenas pretende criar a ilusão de que o produto ficou ainda melhor com a adição desses BCAAs quando, na verdade, os BCAAs foram adicionados porque o fabricante não usou uma fonte de proteína completa (que já teria os BCAAs) na fabricação do seu produto.

amino spiking
Não seja enganado pelo Amino Spiking
Você deve ser exigente com seus suplementos proteicos. Afinal, você está pagando caro por eles. O mínimo que pode exigir de um suplemento de proteína é que ele contenha aminoácidos de qualidade. Vamos fazer uma analogia: você aceitaria pagar por um Ferrari e esse Ferrari vir com peças não originais de menor qualidade? Óbvio que não.

Então por que você aceitaria pagar por um suplemento que diz no rótulo “100% whey protein” quando, na verdade, esse suplemento não é um 100 whey protein? Se aparecerem aminoácidos livres listados nos ingredientes, esse suplemento simplesmente não é um 100% whey protein.

A marca que quer vender essa ilusão para você não merece seu respeito enquanto consumidor. Alerte outros consumidores para essa prática enganosa do Amino Spiking. O mercado da suplementação só ganhará escrúpulos quando os consumidores se tornarem consumidores informados.
A exceção da regra
Gostaria de deixar uma nota final para notar que, por vezes, há produtos que têm aminoácidos livres que foram adicionados mas, no entanto, se você comparar as quantidades de cada aminoácido com os de um produto sem amino spiking, você não verá diferença.

Tem vezes que a marca adiciona aminoácidos livres na fórmula com o intuito de tornar o produto realmente melhor. Estamos falando de uma minoria, mas acontece. Convém levarmos esse fato em consideração para não estarmos prejudicando marcas que não merecem a reputação de enganadores.

A melhor forma de você descobrir se estamos perante um caso de amino spiking positivo ou negativo é mesmo avaliar as quantidades de cada aminoácido, especialmente de aminoácidos essenciais e BCAAs.

Fonte: http://treinomusculacao.com/suplementos-proteina-amino-spiking/

ATENÇÃO CONSUMIDOR, PARE DE SE ILUDIR !

Atualmente, existem várias empresas lançando muito produto ruim no mercado, mascarado por aminogramas de baixa qualidade, por isso, aprenda a identificar este tipo de produto.

O que mais se tem são blends proteicos mascarados com colágeno, proteína de carne e proteínas vegetais, e as empresas os lançam, pois têm um baixo custo para a indústria e lojistas, mas com uma alta rentabilidade e altíssimo percentual de lucro.

Como escolher um suplemento de proteína (whey)

Devido aos seus conhecidos benefícios no aumento e manutenção da massa muscular, os suplementos de proteína de soro de leite (whey) encontram-se entre os mais vendidos em todo o mundo. É raro alguém treinar no ginásio e não tomar algum suplemento de proteína.

Uma das leis elementares do mercado é que a procura por um produto influencia o seu preço final. Se determinado produto tiver muita procura, o seu preço aumentará. Nos últimos anos, a procura por suplementos de whey protein disparou, tornando a matéria-prima necessária para o seu fabrico mais cara.

Por essa razão, várias marcas de suplementos têm adotado estratégias e truques ardilosos para tornarem o seu produto mais barato e, por conseguinte, aumentarem as margens de lucro.

Neste artigo vou expor algumas destas práticas para vos ajudar a saberem distinguir um bom de um mau suplemento de whey protein e para saberem que marcas pensam mais em lucro do que nos seus clientes.

1) Atenção à quantidade de proteína no produto
Se paga por whey protein, deve exigir whey protein. Se não tem o hábito de olhar com atenção a informação nutricional do produto, deve passar a fazer isso.

Como deves saber, um suplemento de proteína não traz apenas proteína. Também traz carboidrato e gordura, entre outros ingredientes. Se está pagando or um suplemento de whey protein, deve exigir que o suplemento de whey protein tenha, no mínimo, 70% de proteína por 100g de produto (case se trate de um whey protein concentrado).

Existem alguns suplementos que são autênticos rip-offs, fazendo-se passar por algo que não são. O mercado está repleto de proteínas que apresentam concentrações proteicas inferiores a 60%. Ou seja, em 100g de produto, apenas 60g são proteínas, e o resto são carboidratos , gorduras e outros fillers.

Há produtos que mais parecem gainers do que proteínas de soro de leite. Eis alguns exemplos:

wheys baixa concentração proteica

Geralmente estas proteínas de menor concentração proteica são mais baratas mas, mesmo assim, não recomendo a sua compra.

2) Atenção ao perfil de aminoácidos
Não basta olhar para a quantidade de proteína que o produto oferece. Precisamos ir mais fundo na nossa análise. Neste caso, precisamos olhar o aminograma do produto. O aminograma é a tabela que indica todos os aminoácidos presentes no suplemento de proteína, bem como as suas quantidades.

O interessante num whey protein é a quantidade de aminoácidos essenciais – especialmente BCAAs – que ele oferece. O nosso corpo consegue produzir os aminoácidos não-essenciais. Como tal, quando estamos escolhendo um suplemento de proteína, devemos atentar para a quantidade de aminoácidos essenciais que esse suplemento oferece.

Os BCAAs – leucina, isoleucina e valina – merecem uma atenção especial pois são os aminoácidos que se encontram em maior quantidade no tecido muscular e um deles – a leucina – é o principal responsável por ativar a síntese proteica, o processo que nos vai permitir ganhar massa muscular.

Pelo conhecimento que tenho do mercado de suplementos, aconselho a escolherem uma whey protein que tenha pelo menos 30% de aminoácidos essenciais, 15% dos quais BCAAs. Eis o exemplo de um bom suplemento de whey protein:

 

whey com boa quantidade de BCAAs
3) Atenção ao Amino Spiking
Este termo deve ser novo para a maior parte dos leitores, mas é um conceito muito conhecido dentro da indústria da suplementação. O “Amino Spiking” acontece sempre que uma marca acrescenta determinados aminoácidos à sua fórmula de proteína para aumentar a quantidade total de proteína de forma barata.

Não são poucas as marcas que adotam esta prática. Os casos mais escandalosos são aqueles em que o produto tem o nome de “100% Whey Protein” quando, na realidade, não passa de um whey protein de 60 ou 70% que foi acrescentado aminoácidos livres.

Os aminoácidos mais comuns utilizados para subir o teor de proteína num suplemento de whey, por serem baratos, são a glicina, a taurina, o ácido glutâmico e a creatina. Os dois primeiros são os mais utilizados.

A glicina é um aminoácido não-essencial barato. A taurina, apesar de ter funções biológicas importantes, não contribui para a síntese proteica. Uma vez que 99% das pessoas compra whey protein pensando em ganhar ou manter massa muscular, não é um aminoácido interessante para se ter num whey. O ácido glutâmico, ao contrário do que a generalidade das pessoas pensa, não é glutamina.

Sempre que a lista de ingredientes do produto enumerar aminoácidos livres, isso significa que a marca os adicionou à fórmula. Ou seja, não é um suplemento de whey protein “puro”. Eis alguns exemplos:

wheys com amino spiking

Dois dos produtos supramencionados contêm BCAAs na sua lista de ingredientes. Alguns de vocês poderão perguntar se isso não faz do produto um bom produto. Isto não passa de um engodo. Praticamente todas as vezes em que a marca acrescenta BCAAs livres ao produto é porque o mesmo possui uma quantidade natural de BCAAs baixa.

Ou seja, eles são acrescentados não para tornarem o suplemento ainda mais espetacular, mas para disfarçarem um produto de baixa qualidade. Temos o exemplo do HEXAPRO da Allmax Nutrition, que apesar de ter BCAAs adicionados, mesmo assim continua tendo quantidades menores do que outros suplementos de whey protein aos quais não foram acrescentados BCAAs:

whey com BCAA

Desconfiem sempre de certos termos que são simplesmente tentativas de atirar areia para os olhos dos consumidores. Alguns exemplos: “amino blend“, “reinforced protein complex“, “amino complex“.

whey com termos amino spiking

 

Conclusão

Ninguém dá nada a ninguém, muito menos na indústria da suplementação. Existem marcas que adotam más práticas e procuram ludibriar o consumidor menos atento. Estejam atentos.

O preço é sempre um bom indicador para determinar se um suplemento de proteína pode estar a esconder algum “truque”. Se ver um suplemento de whey protein muito mais barato do que você estão habituados, então desconfiem logo no início e procurem indícios de amino spiking na lista de ingredientes.

Não obstante, continuam a haver marcas de qualidade que não recorrem a truques de semântica para enganar o consumidor.

Neste vídeo discuto todos os pontos apresentados neste artigo:

Fonte: http://tafitness.net/como-escolher-suplemento-proteina-whey/

shakes emagrecedores

Vivemos em um mundo em que o “magro” é idealizado. Existe uma faixa de peso saudável para cada pessoa, mas mesmo assim, a fissura pelo emagrecimento nunca esteve tão em evidência. E é claro que a indústria se aproveita disso, divulgando produtos supostamente milagrosos que prometem afinar o corpo e de forma rápida! Aí entram os famosos SHAKES EMAGRECEDORES.

Já não somos muito fãs daquele programa Bem Estar, que passa pela manhã na Rede Globo. Pelo menos quando falam sobre Nutrição eles já cometeram vários equívocos. O mais frequente ocorre quando colocam um médico para falar sobre alimentação, ao invés de um nutricionista. Nada contra os médicos, mas como já dizia um ~clássico~ da nossa música popular: “cada um no seu quadrado”.

Eis, que no dia 04 de novembro eles abordaram o uso dos SHAKES como substitutos para refeições. Confira o vídeo do Bem Estar AQUI. http://g1.globo.com/bem-estar/videos/t/edicoes/v/shakes-para-emagrecer-podem-ser-usados-a-longo-prazo/2932230/

O médico fez as seguintes afirmações, as quais gostaríamos de destacar:endocrinologista sobre shakes

  • “Dependendo do shake, se tiver uma composição nutricional apropriada ele pode perfeitamente ser usado a longo prazo.”

Em primeiro lugar, o que é uma composição nutricional apropriada? Na maioria das vezes, um shake é só mais um alimento industrializado cheio de aditivos para ser misturado com leite. Portanto, ele pode não ter a composição apropriada quando combinado com outros elementos da dieta. Geralmente eles contêm baixas quantidades de energia, a qual precisamos para a manutenção das nossas funções. Além disso, as vitaminas e os minerais são adicionados industrialmente ao produto. Quanto a ser utilizado a longo prazo, não generalizaríamos isso em rede nacional, pois vai depender de cada caso e se ele vai substituir uma refeição, pode haver consequências decorrentes das deficiências nutricionais devido a essa substituição.

 

Ingredientes  Diet Shake Crocante Nutrilatina

Ingredientes: Diet Shake Crocante – Nutrilatina

“Se quiser substituir alguma das refeições principais por shake, desde que seja um shake com uma boa composição (com substâncias feitas com objetivo de gerar saciedade) ele pode entrar no almoço.”

Nesse caso, arroz, feijão, carne e salada dão um show de saciedade!!! Muito mais do que um copo de uma bebida dessas. Frutas e verduras também são ótimas para isso, pois contém muitas fibras (de verdade, ao invés da inulina – fibras extraídas das raízes da cebola e da chicória – e da polidextrose) e prolongam a sensação de estar bem alimentado por mais tempo. Além disso, não possuem corantes artificiais como o caramelo IV, amarelo crepúsculo e bordeux s. Fora os 20 minutos, o tempo no qual mastigamos os alimentos… Tempo esse essencial, pois nesse período, o estômago envia a informação para o cérebro de que estamos saciados. Sem sombra de dúvidas vale muito mais a pena almoçar/jantar comida de verdade.

O que é o Corante Caramelo IV?
No Brasil, bem como mundialmente, os corantes caramelos estão aprovados como aditivos alimentares em diversos alimentos, respeitando-se as condições específicas de uso. A ANVISA considera que, até o momento, não existem evidências científicas que justifiquem alterar o status da aprovação de uso do corante Caramelo IV na legislação sanitária brasileira de alimentos, tampouco a obrigatoriedade de advertência sobre eventual periculosidade deste aditivo alimentar. Mas, se mantém preparada para adotar as ações necessárias no Brasil, caso qualquer evidência aponte que os níveis encontrados desse corante representem um risco à saúde humana.*

E o Corante Amarelo Crepúsculo?
Estudos realizados demonstraram que alguns corantes amarelos, entre eles a tartrazina e o amarelo crepúsculo, podem inibir a síntese de tromboxano, interferindo na coagulação sangüínea e apresentando com isso um risco potencial à saúde.

Quer saber mais sobre o Corante Bordeaux S?
Alguns estudos são contraditórios quanto à inocuidade carcinogênica deste corante, sendo, por medida de segurança, proibido nos Estados Unidos desde 1976. No Canadá é permitido, pois sua estrutura química é bastante semelhante a outros corantes considerados não carcinogênicos. Na Inglaterra seu uso é permitido em caráter provisório até que se apresentem estudos mais conclusivos. No Japão foi voluntariamente banido pelas indústrias de alimentos e na União Européia seu uso é permitido.**

  • “O grande charme do shake é que ele é completo do ponto de vista nutricional e tem bem menos calorias do que uma refeição. Então, é uma maneira fácil de substituir uma refeição e é muito interessante para pessoas que querem emagrecer.”

Por mais que ele possa ter os nutrientes de que o organismo precisa, substituir uma refeição por um shake se torna monótono… Mais uma vez voltamos a bater na tecla de que a alimentação diária deve ser variada e balanceada, para compor uma dieta completa. Fica difícil obter uma dieta variada utilizando somente um alimento, não é mesmo?

Quanto a ter menos calorias e a ser mais interessante para pessoas que querem emagrecer, não concordamos. A pessoa que quer emagrecer deve mudar hábitos de uma vida inteira de alimentação incorreta. Somente uma boa reeducação alimentar faz isso. Soluções milagrosas só servem para os quilos perdidos serem encontrados mais adiante.

  • “Posso substituir por conta própria ou devo consultar um médico? Ah eu acho que não tem problema substituir por conta própria. Claro que tendo a orientação de médico ou nutricionista tende a seguir de forma mais correta.”

Na própria embalagem de um shake encontramos a mensagem abaixo:

aviso diet shake

O nutricionista sempre deve ser consultado, pois é quem vai prescrever a dieta mais adequada ao metabolismo do paciente, conforme seu estilo de vida, seus hábitos de vida, sua rotina, suas preferências e suas necessidades.

Confira o vídeo do Bem Estar AQUI.
http://g1.globo.com/bem-estar/videos/t/edicoes/v/shakes-para-emagrecer-podem-ser-usados-a-longo-prazo/2932230/

A Revista Proteste já testou cinco shakes para emagrecer com sabor de chocolate e concluíram que eles “podem até servir para substituir um lanche, mas não uma grande refeição. Eles não têm equilíbrio nutricional, apresentando excesso de proteínas e baixo aporte de energia. Para usar na dieta, só mesmo com o auxílio de um nutricionista.”

Nem tudo são calorias. O valor de uma dieta adequada está na qualidade dessa alimentação. Diminuir a quantidade de alimentos ricos em gordura, em sódio e em açúcar e aumentar a quantidade de alimentos com fibras e vitaminas, certamente tem um efeito mais benéfico à saúde. Ainda que o resultado venha a longo prazo, o nosso corpo agradece e os quilos a mais vão embora para nunca mais voltar. 

E você, já descobriu que a alimentação saudável + exercício é a fórmula para uma vida saudável? 

Fontes:

*ANVISA – Informe Técnico nº. 48, de 10 de abril de 2012.

**Prado, M. A. & Godoy, H. T. Corantes artificiais em alimentos. Alim. Nutr., Araraquara, v.14, n.2, p. 237-250, 2003.

http://fechandoziper.com/blog/desvendando-rotulos/vale-a-pena-substituir-refeicoes-por-shakes-emagrecedores/

Curso grátis online da Universidade de São Paulo

Ementa
O Curso de Suplementação Nutricional Aplicada ao Exercício discutirá Suplementação Esportiva, Bioenergética e Integração metabólica no Exercício, Suplementação de Carboidratos, Hidratação no Exercício Físico, Suplementação de Vitaminas e Minerais no Exercício, Suplementação de Proteínas e Aminoácidos, Suplementação de Tamponantes e Cafeína e Suplementação de Creatina.

Objetivo
Transmitir conhecimentos científicos acerca do uso de suplementos nutricionais para praticantes de atividade física.

http://www.eaulas.usp.br/portal/video.action?idItem=3758

Tudo sobre BCAA

Publicado: 25/07/2014 em Suplementação
Tags:,

BCAA é um dos suplementos mais consumidos pelas pessoas que praticam atividade físicas como treino de musculação. Os aminoácidos que fazem parte deste suplemento são essenciais e não são produzidos pelo nosso corpo, por isso, precisamos buscá-los em outras fontes como na alimentação e nos suplementos.

Mais um vídeo que ensina e informa Tudo Sobre o BCAA (O que é? Benefícios) do profissional Marcos Sabino.

Marcos informa e o grande Felix Bonfim mostra quais BCAA são aminoácidos de verdade e não farinha em cápsulas.

Recomendo a leitura do seguinte artigo também
https://musculacaoectomorfo.wordpress.com/2013/01/22/bcaa-voce-esta-usando-errado/

Rodolfo Peres

A cada dia o acesso a suplementação alimentar é maior. É bem provável que em breve, o Brasil seja como os Estados Unidos, onde encontramos vários tipos de suplementos nas prateleiras dos supermercados, lojas de conveniência e lanchonetes. Mas de nada adianta a população ter acesso aos melhores produtos, sem as informações corretas sobre seu uso. O objetivo deste artigo é apresentar alguns erros comuns na administração de suplementos alimentares. Desde já, deixamos clara a importância do profissional de nutrição para ajustar a suplementação adequada para cada indivíduo, quando ela se mostra necessária.

1) Uso de repositores energéticos durante atividade aeróbica, quando o objetivo é a redução da gordura corporal.
É muito comum encontrarmos alguém fazendo esteira e/ou bicicleta ergométrica, com o objetivo de perder gordura corporal, ingerindo repositores energéticos como se fosse água. O conteúdo do rótulo, afirmando que é uma bebida repositora para praticantes de atividade física, associado a um sabor agradável, tende a estimular o consumo. Mas vale lembrar que essas bebidas só devem ser ingeridas, durante a atividade aeróbica em duas situações específicas: quando o objetivo for um aumento no desempenho – devido ao efeito poupador de glicogênio – ou para repor eletrólitos em exercícios com duração superior a uma hora. Ou seja, os 20 ou 30 minutos de esteira que você faz buscando otimizar a queima de gordura não terão o efeito esperado se você consumir repositores energéticos durante a atividade.

2) Uso de whey protein com leite após o treino.
A whey protein é uma proteína de rápida absorção. Característica que a faz muito especial no período pós treino, quando nosso organismo está ávido por nutrientes. Mas o consumo de whey protein com leite, irá retardar todo esse processo. Tanto antes, como após o treinamento, o consumo do suplemento deve ser com água, visando um rápido esvaziamento gástrico.

3) Uso de apenas whey protein após o treinamento.
A principal necessidade do nosso organismo no momento após o treinamento, ainda seria repor as reservas de glicogênio depletadas durante o exercício físico. O consumo de carboidratos (dextrose, maltodextrina) em conjunto com uma fonte protéica de rápida absorção (whey protein) é recomendado. Consumir apenas proteína após o treino é um grande desperdício.

4) Tomar creatina antes do treino visando melhorar a performance naquele momento.
Sempre observo muitas pessoas utilizarem a creatina logo antes do treino, acreditando que ela irá influenciar positivamente a performance do exercício naquele momento. O efeito da creatina ocorre apenas depois que houver saturação celular, o que leva alguns dias de suplementação. Portanto, o efeito da suplementação é crônico, não agudo. A ingestão de creatina pode ser realizada em qualquer horário do dia, preferencialmente em conjunto com algum alimento fonte de carboidrato simples. Uma sugestão é acrescentar a creatina em conjunto com o shake pós treino, que deveria ter como base a whey protein e dextrose.

5) Ingerir dextrose antes do treino visando otimizar a performance.
Para a maioria das pessoas, essa prática poderia ter um efeito contrário do desejado. Ao invés de melhorar a disposição/energia durante a atividade, ao ingerir dextrose antes do treino, podemos ter uma queda na performance devido a instalação de uma hipoglicemia de rebote. Nesses casos, a maltodextrina acaba sendo uma alternativa mais interessante no momento anterior ao treino, mas mesmo assim, algumas pessoas ainda podem apresentar esse sintoma. Para manter a glicemia constante, o melhor seria ingerir a maltodextrina antes e durante o treino. Outra ideia seria garantir um bom aporte de carboidratos complexos de baixo índice glicêmico, cerca de uma hora antes do treino. Dessa forma, não seria necessária a suplementação com mais carboidratos, tanto antes quanto durante o treino.

6) Administrar whey protein com água antes de dormir.
Como já discutimos acima, a whey protein é uma proteína de rápida absorção, sendo que seus aminoácidos não permanecem durante um período considerável no plasma sanguíneo. Antes de dormir, considerando um sono em torno de oito horas, precisaríamos de uma fonte protéica com absorção mais lenta. Carne vermelha, peito de frango e ovos inteiros seriam exemplos de boas fontes alimentares, enquanto caseína e albumina seriam opções suplementares. Ambas seriam ótimas medidas.

7) Acordar de madrugada para se ingerir um “shake protéico”.
Na minha opinião, aqueles indivíduos que gozam de um bom sono, sem interrupções, não deveriam deixar o despertador programado para tocar no meio da noite, a fim de se administrar um “shake de proteínas”. Desfrute seu sono que será bem melhor! Agora, para aqueles com sono inconstante, essa medida, sem dúvida, seria uma alternativa melhor do que assaltar a geladeira com alimentos inadequados.

8) Gastar dinheiro com “queimadores de gordura”.
No momento existe um verdadeiro derramamento de “fat buners” no mercado. Como a maioria desses produtos é importada, o fortalecimento da moeda brasileira frente ao dólar facilitou o acesso está muito mais facilitado. Pare e pense: se realmente existisse algo tão milagroso assim para queimar gordura, será que os níveis de obesidade estariam aumentando a cada dia? Sem contar que vários desses produtos contêm substâncias estimulantes dos hormônios da tireóide, o que pode desregular seu metabolismo de forma irreversível. Fie-se no treino e na dieta que você conseguirá eliminar a gordura que tanto lhe incomoda!

9) Usar “pró-hormonais” como uma forma de obter efeitos similares ao dos esteroides anabólicos, mas sem os temíveis efeitos colaterais.
A ideia parece ótima não é mesmo? Usar um “suplemento” que não é esteroide, mas vai proporcionar aumento de massa muscular, aumento na libido e ainda reduzir gordura! Novamente, não caia nessa conversa furada! O exercício é o melhor estimulante da produção natural de testosterona existente! Essa é outra classe de suplementos utilizada por aqueles indivíduos que buscam um caminho mais fácil. Porém, esse atalho não existe. Use esses produtos e além de não obter o resultado desejado, você ainda poderá ganhar de brinde alguns efeitos colaterais.

10) Depender de suplementos “pré-treinos” para treinar.
Sem dúvida, os suplementos mais em moda atualmente são os chamados “pré-treinos”. Eles combinam substâncias como cafeína, arginina AKG, ornitina OKG, beta-alanina, creatina, ribose, dentre outras, associadas a um rótulo chamativo, com a promessa do melhor treino da sua vida. Realmente essas substâncias em sua maioria são válidas, em algumas situações e etapas da periodização do treinamento. Mas agora, depender desses produtos para ir para a academia já é demais, não? Observei pessoas que deixavam de ir à academia alegando falta de energia porque o pré-treino tinha acabado. Será que Arnold Schwarzenegger faltava aos seus treinos porque não tinha um suplemento como esse para tomar?

11) Tomar vitaminas e sais minerais descomedidamente.
A suplementação com vitaminas e sais minerais é algo complexo e deve ser feito com cautela. A ingestão inadequada de um ou outro micronutriente pode inclusive acarretar a deficiência de outro nutriente. Em vez de garantir a ingestão de micronutrientes com algum multivitamínico qualquer, procure complementar, se for o caso, a ingestão exata do nutriente que está em deficiência na sua dieta. Para isso, sem dúvida, o nutricionista é o melhor profissional para lhe orientar.

12) Acreditar sempre que o mais caro é o melhor, ao invés de buscar suas reais necessidades.
Qual o melhor suplemento alimentar do mercado? Esta pergunta não tem resposta. Cada pessoa possui diferentes necessidades em diferentes períodos. Para alguém que passa o dia todo fora e não tem tempo para se alimentar, uma refeição líquida pode ser o mais indicado. Já para alguém com boa disponibilidade de tempo e de acesso a alimentos adequados, uma refeição líquida seria desnecessária. A individualidade biológica deve sempre ser respeitada.

13) Usar um determinado suplemento e creditar todo a esperança e sucesso a ele.
É bem comum observarmos o “magrinho” depositar toda sua esperança no pote de hipercalórico ou o “gordinho” no termogênico. Vamos deixar claro, mais uma vez, que nenhum suplemento fará milagre por ninguém. O que ele pode fazer é auxiliar na elaboração de uma dieta nutricionalmente adequada para cada pessoa. Para atingir o sucesso na busca pelo seu objetivo, são inúmeros os fatores que precisam agir sinergicamente, como treinamento, dieta e, principalmente, o estilo de vida. Seu corpo será sempre o reflexo do estilo de vida que você adotar. Portanto, o que você está esperando?

Mude seu corpo, mude sua vida!
Bom treino a todos!

Rodolfo Peres é nutricionista especialista em nutrição esportiva com vasta experiência no acompanhamento de atletas e esportistas; mais de 50 cursos ministrados no Brasil, consultor da Probiótica Laboratórios, co-autor do livro “Are You Ready?”.

Fonte: http://www.waldemarguimaraes.com.br/?p=2434