Arquivo de agosto, 2014

shakes emagrecedores

Vivemos em um mundo em que o “magro” é idealizado. Existe uma faixa de peso saudável para cada pessoa, mas mesmo assim, a fissura pelo emagrecimento nunca esteve tão em evidência. E é claro que a indústria se aproveita disso, divulgando produtos supostamente milagrosos que prometem afinar o corpo e de forma rápida! Aí entram os famosos SHAKES EMAGRECEDORES.

Já não somos muito fãs daquele programa Bem Estar, que passa pela manhã na Rede Globo. Pelo menos quando falam sobre Nutrição eles já cometeram vários equívocos. O mais frequente ocorre quando colocam um médico para falar sobre alimentação, ao invés de um nutricionista. Nada contra os médicos, mas como já dizia um ~clássico~ da nossa música popular: “cada um no seu quadrado”.

Eis, que no dia 04 de novembro eles abordaram o uso dos SHAKES como substitutos para refeições. Confira o vídeo do Bem Estar AQUI. http://g1.globo.com/bem-estar/videos/t/edicoes/v/shakes-para-emagrecer-podem-ser-usados-a-longo-prazo/2932230/

O médico fez as seguintes afirmações, as quais gostaríamos de destacar:endocrinologista sobre shakes

  • “Dependendo do shake, se tiver uma composição nutricional apropriada ele pode perfeitamente ser usado a longo prazo.”

Em primeiro lugar, o que é uma composição nutricional apropriada? Na maioria das vezes, um shake é só mais um alimento industrializado cheio de aditivos para ser misturado com leite. Portanto, ele pode não ter a composição apropriada quando combinado com outros elementos da dieta. Geralmente eles contêm baixas quantidades de energia, a qual precisamos para a manutenção das nossas funções. Além disso, as vitaminas e os minerais são adicionados industrialmente ao produto. Quanto a ser utilizado a longo prazo, não generalizaríamos isso em rede nacional, pois vai depender de cada caso e se ele vai substituir uma refeição, pode haver consequências decorrentes das deficiências nutricionais devido a essa substituição.

 

Ingredientes  Diet Shake Crocante Nutrilatina

Ingredientes: Diet Shake Crocante – Nutrilatina

“Se quiser substituir alguma das refeições principais por shake, desde que seja um shake com uma boa composição (com substâncias feitas com objetivo de gerar saciedade) ele pode entrar no almoço.”

Nesse caso, arroz, feijão, carne e salada dão um show de saciedade!!! Muito mais do que um copo de uma bebida dessas. Frutas e verduras também são ótimas para isso, pois contém muitas fibras (de verdade, ao invés da inulina – fibras extraídas das raízes da cebola e da chicória – e da polidextrose) e prolongam a sensação de estar bem alimentado por mais tempo. Além disso, não possuem corantes artificiais como o caramelo IV, amarelo crepúsculo e bordeux s. Fora os 20 minutos, o tempo no qual mastigamos os alimentos… Tempo esse essencial, pois nesse período, o estômago envia a informação para o cérebro de que estamos saciados. Sem sombra de dúvidas vale muito mais a pena almoçar/jantar comida de verdade.

O que é o Corante Caramelo IV?
No Brasil, bem como mundialmente, os corantes caramelos estão aprovados como aditivos alimentares em diversos alimentos, respeitando-se as condições específicas de uso. A ANVISA considera que, até o momento, não existem evidências científicas que justifiquem alterar o status da aprovação de uso do corante Caramelo IV na legislação sanitária brasileira de alimentos, tampouco a obrigatoriedade de advertência sobre eventual periculosidade deste aditivo alimentar. Mas, se mantém preparada para adotar as ações necessárias no Brasil, caso qualquer evidência aponte que os níveis encontrados desse corante representem um risco à saúde humana.*

E o Corante Amarelo Crepúsculo?
Estudos realizados demonstraram que alguns corantes amarelos, entre eles a tartrazina e o amarelo crepúsculo, podem inibir a síntese de tromboxano, interferindo na coagulação sangüínea e apresentando com isso um risco potencial à saúde.

Quer saber mais sobre o Corante Bordeaux S?
Alguns estudos são contraditórios quanto à inocuidade carcinogênica deste corante, sendo, por medida de segurança, proibido nos Estados Unidos desde 1976. No Canadá é permitido, pois sua estrutura química é bastante semelhante a outros corantes considerados não carcinogênicos. Na Inglaterra seu uso é permitido em caráter provisório até que se apresentem estudos mais conclusivos. No Japão foi voluntariamente banido pelas indústrias de alimentos e na União Européia seu uso é permitido.**

  • “O grande charme do shake é que ele é completo do ponto de vista nutricional e tem bem menos calorias do que uma refeição. Então, é uma maneira fácil de substituir uma refeição e é muito interessante para pessoas que querem emagrecer.”

Por mais que ele possa ter os nutrientes de que o organismo precisa, substituir uma refeição por um shake se torna monótono… Mais uma vez voltamos a bater na tecla de que a alimentação diária deve ser variada e balanceada, para compor uma dieta completa. Fica difícil obter uma dieta variada utilizando somente um alimento, não é mesmo?

Quanto a ter menos calorias e a ser mais interessante para pessoas que querem emagrecer, não concordamos. A pessoa que quer emagrecer deve mudar hábitos de uma vida inteira de alimentação incorreta. Somente uma boa reeducação alimentar faz isso. Soluções milagrosas só servem para os quilos perdidos serem encontrados mais adiante.

  • “Posso substituir por conta própria ou devo consultar um médico? Ah eu acho que não tem problema substituir por conta própria. Claro que tendo a orientação de médico ou nutricionista tende a seguir de forma mais correta.”

Na própria embalagem de um shake encontramos a mensagem abaixo:

aviso diet shake

O nutricionista sempre deve ser consultado, pois é quem vai prescrever a dieta mais adequada ao metabolismo do paciente, conforme seu estilo de vida, seus hábitos de vida, sua rotina, suas preferências e suas necessidades.

Confira o vídeo do Bem Estar AQUI.
http://g1.globo.com/bem-estar/videos/t/edicoes/v/shakes-para-emagrecer-podem-ser-usados-a-longo-prazo/2932230/

A Revista Proteste já testou cinco shakes para emagrecer com sabor de chocolate e concluíram que eles “podem até servir para substituir um lanche, mas não uma grande refeição. Eles não têm equilíbrio nutricional, apresentando excesso de proteínas e baixo aporte de energia. Para usar na dieta, só mesmo com o auxílio de um nutricionista.”

Nem tudo são calorias. O valor de uma dieta adequada está na qualidade dessa alimentação. Diminuir a quantidade de alimentos ricos em gordura, em sódio e em açúcar e aumentar a quantidade de alimentos com fibras e vitaminas, certamente tem um efeito mais benéfico à saúde. Ainda que o resultado venha a longo prazo, o nosso corpo agradece e os quilos a mais vão embora para nunca mais voltar. 

E você, já descobriu que a alimentação saudável + exercício é a fórmula para uma vida saudável? 

Fontes:

*ANVISA – Informe Técnico nº. 48, de 10 de abril de 2012.

**Prado, M. A. & Godoy, H. T. Corantes artificiais em alimentos. Alim. Nutr., Araraquara, v.14, n.2, p. 237-250, 2003.

http://fechandoziper.com/blog/desvendando-rotulos/vale-a-pena-substituir-refeicoes-por-shakes-emagrecedores/

As Armas Secretas do Marketing de Alimentos

frango

Por Ada Bento, Camila Araújo e Camila Leão.

Já faz muito tempo que o marketing deixou de ser apenas propagandas inocentes sobre determinado produto ou conceito. Atualmente, ele pode ser definido mais como uma ciência, que estuda e conhece seu público alvo e sabe quais estratégias usar para convencê-lo. O marketing pode convencer milhões de pessoas sobre as ideias e realidades mais absurdas, provando que estas são as melhores opções que você poderia fazer.

Este pequeno vídeo tem uma poderosa mensagem que pode ajudar as pessoas a compreender sobre a forma como são bombardeadas diariamente por profissionais ultra capacitados, com o intuito de consumir todo tipo de produto industrializado, que não faz nenhum bem à saúde – individual ou do planeta.

É um vídeo fascinante. Tanto pela maneira como foi produzido (e conduzido) quanto pela reação da plateia com as informações que eram passadas. As expressões faciais e a falta de aplausos ao final da apresentação mostra o quanto a plateia ficou chocada com as informações.

De fato, nada torna a agricultura industrializada aceitável. Para mais informações, visite o site da organização que luta para combater essa questão.
http://www.ciwf.org.uk/

Fonte: https://propaganut.wordpress.com/2014/07/01/as-armas-secretas-do-marketing-de-alimentos/

Meus comentários

Repare que a indústria de alimentação também faz uso desses artíficios de marketing. Ninguém incentiva um treino e uma dieta e sim um pó mágica para acelerar seus resultados.

balas com aditivos alimentares

Em rápida visita ao supermercado encontramos 34 alimentos com aditivos. Veja quais são eles e evite consumi-los em excesso.

Durante o processo de fabricação, alguns alimentos recebem propositalmente certos tipos de aditivos com objetivo de realçar suas características sensoriais (aroma, cor e sabor) e aumentar o tempo de vida do produto. Como esses aditivos não têm propósito nutricional, especialistas se questionam se vale realmente a pena adicioná-los, uma vez que o consumo diário pode trazer riscos toxicológicos, como alergias, irritação estomacal e hiperatividade.

Eles estão em biscoitos, cereais matinais, refrigerantes, gelatinas, sucos artificiais, balas e mais uma gama de outros alimentos que estão na dieta diária dos brasileiros, principalmente das crianças. Por isso, cuidado com o que você come. Para ajuda-lo a não consumir esse ingrediente em excesso, selecionamos 34 alimentos, facilmente acessíveis em supermercados pelo Brasil, que possuem aditivos em sua composição.

alimentos a serem evitados

alimentos consumidos com atenção

Você mesmo pode identificar esses alimentos. Veja a lista abaixo, leve junto quando for às compras e procure por eles na lista de ingredientes nos rótulos dos produtos. É possível baixar a lista pelo celular, enquanto estiver no mercado.

ADITIVOS QUE DEVEM SER EVITADOS, POIS EXISTEM INDÍCIOS DE QUE PODEM CAUSAR DANOS A SAÚDE

Ácido benzóico – INS 210
Alumínio – INS 173
Amaranto ou Bourdeaux S. – INS 123
Amarelo crepúsculo – INS 110
Benzoato de sódio – INS 211
Butil-hidroxiansiolo (BHA) – INS 320
Butil-hidroxitolueno (BHT) – INS 321
Dióxido de titânio – INS 171
Eritrosina – INS 127
Etilenodiaminatetracetato de cálcio dissódico
(EDTA)- INS 385
Tartrazina – INS 102
Vermelho Ponceau 4R – INS 124

ADITIVOS QUE DEVEM SER CONSUMIDOS COM ATENÇÃO
Ácido fosfórico – INS 338
Ácido glutâmico – INS 620
Cochonilha – INS 120
Fosfato de potássio – INS 340
Glutamato monossódico – INS 621
Nitrato de potássio – INS 252
Nitrato de sódio – INS 251
Nitrito de potássio – INS 249
Nitrito de sódio – INS 250
Propileno glicol – INS 405
Sorbitol – INS 420
Vermelho 40 – INS 129

ADITIVOS QUE PODEM SER CONSUMIDOS SEM RESTRIÇÃO
Ácido ascórbico – INS 300
Ácido cítrico – INS 330
Agar-agar – INS 406
Carboximetilcelulose – INS 466
Dióxido de silício – INS 551
Goma Guar – INS 412
Goma Xantana – INS 415
Guanilato de potássio – INS 628
Inosinato dissódico – INS 631
Lecitina – INS 322
Propionato de cálcio – INS 282
Tocoferóis – INS 306

Fonte: http://www.proteste.org.br/alimentacao/nc/noticia/aditivos-alimentares

aspartame

(Artigo escrito pela Dra. Mancy Marckle, da FIOCRUZ)

Estimulada pela notícia divulgada na CONFERÊNCIA MUNDIAL DE MEIO AMBIENTE de que estava ocorrendo nos Estados Unidos uma epidemia de Esclerose Múltipla e Lupus Sistêmico, embora não se soubesse que toxina estava fazendo com que essas doenças assolassem o país tão rapidamente, passei alguns dias falando a respeito do ASPARTAME, o adoçante conhecido como Nutrasweet, Equal e Spoonful.

Expliquei que eu estava lá para falar exatamente sobre este assunto.

Em meu pronunciamento esclareci que o ASPARTAME submetido à temperatura superior a 30º C, sofre alterações químicas nas quais é produzido álcool metílico, que se transforma em formaldeido e, em seguida, ácido fórmico
(veneno das formigas), que provoca acidose metabólica.

A sintomatologia da intoxicação pelo metanol, por esta via, imita a esclerose múltipla, o que leva a um diagnóstico errado. E o que é pior: a esclerose múltipla não se constitui em sentença de morte, mas a toxicidade do metanol sim.

No caso do Lupus sistêmico, que é quase tão grave quanto a Esclerose Múltipla, percebeu-se, especialmente em usuários de Diet Coke e Diet Pepsi,situação semelhante, também por conta da toxicidade do metanol oriundo do adoçante, pois as vítimas geralmente bebem de 3 a 4 ou mais latas destes refrigerantes por dia.

Nestes casos, o doente geralmente não sabe que o Aspartame é a causa de sua doença e continua com seu uso, agravando o Lupus a um grau tão intenso que algumas vezes ameaça a vida.

Assim, pessoas com diagnóstico de Lupus ficaram assintomáticas quando o uso do Aspartame foi interrompido, o que comprovou a causa, vez que,infelizmente, não podemos reverter esta doença, ainda hoje incurável.

Por outro lado, nos casos diagnosticados como Esclerose Múltipla (quando, na realidade, a doença é devida a intoxicação pelo metanol do Aspartame), a maioria dos sintomas também desaparece, tendo sido constatado casos em que a visão retornou e mesmo a audição foi recuperada…

Isto também se aplica aos casos de tinnitus (zumbido no ouvido).

Em conferência pronunciada anteriormente, alertei: “Se você está usando ASPARTAME (Nutrasweet, Equal e Spoonful, etc.) e sofre de sintomas como fibromialgia, espasmos, dores, formigamento nas pernas, cãibras,vertigem, tontura, dor de cabeça, zumbido no ouvido, dores articulares, depressão, ataques de ansiedade, fala atrapalhada, visão borrada ou perda de memória – você provavelmente tem a DOENÇA DO ASPARTAME!

O que aconteceu foi impressionante: ao ouvir este pronunciamento, as pessoas começaram a pular durante a palestra dizendo: eu tenho isto, é reversível?

Noutra ocasião, o embaixador de Uganda, por ocasião de sua palestra,relatou que a indústria de açúcar de seu país está adicionando Aspartame ao açúcar!

Também contou que o filho de um dos líderes da indústria não conseguia mais andar, o que poderia estar ocorrendo, em parte, pelo uso do produto!
Estamos com um sério problema, disse ele.

O Dr. Aspisto, um dos palestrantes, foi questionado por que tantas pessoas estavam tendo Esclerose Múltipla, relatando que durante a visita a um hospital, uma enfermeira disse que seis amigos dela, que eram viciados em Diet Coke, tinham recebido diagnóstico de Esclerose Múltipla. Isso é mais do que coincidência.

Desde algum tempo a questão tem sido levantada no Congresso dos EUA,incluindo o uso do Aspartame em 100 produtos diferentes. Nada foi feito.

O lobbie da droga, da indústria química, tem bolsos muito profundos. Agora que a patente expirou, existem mais de 5.000 produtos nos quais este produto químico tem sido adicionado.

Na época da primeira audiência realizada sobre este assunto no Congresso Americano, havia relatos de que pessoas estavam ficando cegas, o que pode ter ocorrido por causa da intoxicação pelo metanol que se converte em formaldeido na retina do olho, provocando a cegueira.

O formaldeido é uma substância do mesmo grupo toxicológico das drogas como cianeto e arsênico: VENENOS MORTAIS!

Infelizmente, esta intoxicação leva muito tempo para matar, mas está matando lentamente as pessoas e causando todos os tipos de problemas neurológicos.

Além do que foi exposto acima, há outras conseqüências graves: o Aspartame altera a química do cérebro e causa diversos tipos de ataques.

Esta droga muda os níveis de dopamina no cérebro. Assim, imagine o que acontece com os pacientes que sofrem de doença de Parkinson, onde estes níveis já estão perturbados?

Seu uso também causa mal-formações fetais.

Registros existentes nos anais do Congresso Americano dizem: o Aspartame provoca o aumento do desejo por carboidratos e, por isso, faz o usuário engordar, o que é compatível com a observação feita pelo Dr. Roberts, citando
que a interrupção do uso do Aspartame levou a uma perda de peso que foi de 9,5 kg por pessoa.

Assim, pode-se dizer que o:  ASPARTAME NÃO É UM PRODUTO DIETÉTICO!

Portanto, não existe nenhuma razão para ser utilizado.
Outro risco: o formaldeído tem a propriedade de se armazenar nas células adiposas, principalmente nos quadris e coxas.

Embora seja usado como substituto não energético do açúcar, para os diabéticos o Aspartame é especialmente mortal. Todos os médicos sabem o que o metanol causaria a um paciente diabético.
É provável que em muitos casos os médicos acreditam que seus pacientes têm retinopatia diabética ,quando de fato o que têm é o mal causado pelo Aspartame.
Isto deve ocorrer porque o Aspartame mantém o açúcar sangüíneo fora de controle, fazendo, inclusive, com que muitos pacientes, por isso, entrem em coma. Infelizmente, muitos morreram.

Durante a Conferência do Colégio Americano de Medicina, pessoas nos contaram que tinham parentes que mudaram de Sacarina para o Aspartame e passaram a entrar, eventualmente, em coma. Seus médicos não conseguem controlar os níveis de glicemia. Os pacientes têm perda de memória pelo fato de que o ácido aspártico e a fenilalanina, bem como outros aminoácidos encontrados nas proteínas, são neurotóxicos.
Eles atravessam a barreira hemato-encefálica e causam deterioração nos neurônios.

O Dr. Russel Blaylock, neurocirurgião, diz: esses ingredientes estimulam os neurônios até a morte, causando dano cerebral em vários níveis, o que está bem descrito no seu livro intitulado: “Excitotoxinas: O Gosto que Mata” (Health Press 1-800-643 2665).

O Dr. H.J. Roberts, especialista no tratamento de diabéticos e perito mundial em envenenamento pelo Aspartame, escreveu também um livro intitulado: “DEFESA CONTRA A DOENCA DE ALZHEIMER” (1-800-814-8900), onde conta como o envenenamento pelo Aspartame está relacionado com a doença de Alzheimer.
E realmente está. Mulheres de 30 anos estão sendo internadas com diagnóstico de Alzheimer depois do uso do Aspartame, contido em altas doses nas bebidas do tipo “Diet”.

Ambos os autores, Dr. Blaylock e Dr. Roberts, estão escrevendo uma carta-posição a ser divulgada pela Internet, relatando alguns casos de acordo com a Conferência do Colégio Americano de Medicina. Eles e nós estamos falando de uma praga de doenças neurológicas causadas por este veneno mortal.

Dr. Roberts observou o que aconteceu quando o Aspartame foi vendido pela primeira vez. Seus pacientes diabéticos apresentaram perda de memória, confusão e severa perda de visão .

Quando apresentou seus dados na conferência do Colégio Americano de Medicina, os médicos presentes admitiram que nada sabiam. Estavam imaginando por que os ataques tinhamaumentado tanto (a fenilalanina do Aspartame diminui o limiar para convulsão e depleta a Serotonina, o que causa psicose maníaco-depressiva, ataque de pânico, fúria e violência).

Antes de participar da Conferência, recebi um fax da Noruega, pedindo um possível antídoto para este veneno, porque os mesmos problemas já estavam sendo sentidos em seu país.

Este veneno está disponível em muitos países agora. Felizmente, tivemos embaixadores e palestradores na Conferência que se engajaram nesta luta.

EU ASSEGURO QUE:

A MONSANTO – A CRIADORA DO ASPARTAME – SABE COMO ELE É MORTAL.

ELES FINANCIAM A ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE DIABETES, ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE DIETÉTICA, O CONGRESSO E A CONFERÊNCIA DO COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA.

O New York Times, em 15 de Novembro de 1996, publicou um artigo a respeito de como a Associação Americana de Dietética recebe dinheiro da Indústria de Alimentos para endossar seus produtos.

Por isso, eles não podem criticar aditivos ou falar a respeito de sua ligação com a MONSANTO.

A que ponto chega isso?

Dissemos a uma mãe, cujo filho estava usando Nutrasweet, para interromper o uso do produto, pois a criança estava tendo convulsões diárias.

A mãe telefonou para o médico, que telefonou para a associação, cuja resposta foi: não interromper o uso de NutraSweet.

Estamos ainda tentando convencer a mãe de que o Aspartame está causando as convulsões, baseada em outros casos em que as convulsões cessaram quando o uso do Aspartame foi interrompido. Se o bebê morrer, sabemos de quem é a culpa, contra quem lutamos.

Existem 92 sintomas documentados de intoxicação pelo Aspartame, do coma até a morte.
A maioria deles é neurológica, porque o Aspartame destrói o Sistema Nervoso.

A DOENÇA DO ASPARTAME

É parcialmente a causa da SÍNDROME “TEMPESTADE NO DESERTO”, ocorrida com os soldados norte-americanos durante a guerra do Golfo Árabe.

Milhares de latas de bebidas Diet foram enviadas para as tropas do Tempestade no Deserto. Lembre-se que o calor pode liberar o metanol do Aspartame a 30º C.
.
As bebidas dietéticas foram expostas ao sol de 45º C no deserto Árabe por semanas. Os homens e mulheres de serviço bebiam isso o dia todo.Todos os sintomas deles eram semelhantes ao envenenamento por Aspartame.

A queimação na língua e os outros sintomas discutidos em mais de 60 casos podem estar diretamente relacionados ao consumo de produtos contendo Aspartame.

O Dr. Roberts diz que o consumo do Aspartame na época da concepção pode causar efeitos no feto.

A FENILALANINA oriunda do Aspartame, que quimicamente é o aspartato de
fenilalanina, se concentra na placenta, causando retardo mental, de acordo com o Dr. Louis lsas, Professor de Genética Pediátrica na Universidade de Emory.

Em testes de laboratório, os animais desenvolvem tumores cerebrais (afenilalanina tem um subproduto, o DXP, um agente causador de tumores cerebrais).

Quando o Dr.Espisto estava falando, um neurocirurgião da platéia disse:
Encontra-se um teor elevado de Aspartame nos tumores cerebrais removidos.

A STEVIA, um adoçante natural, NÃO É UM ADITIVO QUÍMICO, e ajuda no metabolismo do açúcar; seria ideal para os diabéticos e já foi aprovada, como suplemento dietético pelo FDA.

Durante anos, o FDA adiou esta aprovação por causa da sua lealdade à MONSANTO.

Tania Maria de Almeida Alves
Laboratório de Química de Produtos Naturais
Centro de Pesquisas Rene Rachou – FIOCRUZ
Av. Augusto de Lima, 1715
30 190-002 Belo Horizonte – MG – Brasil
Tel: +55 31 295 3566 Fax: +55 31-295 3115
email:tania@netra.cpqrr.fiocruz.br

Texto corrigido por :
Nivaldo Alves Soares e Josealdo Tonholo
Depto. Química/CCEN-Universidade Federal de Alagoas-Campus A. C. Simões

Tabuleiro do Martins 57072-970 – Maceió – (AL)Brasil
Fone/fax: (082)214-1389

NOTA:
Em 7/7/99 a UPI Farm News noticiou que a Monsanto estava colocando à venda sua linha de ingredientes alimentares, entre as quais o NutraSweet.

Teriam estas vendas ligações com o artigo acima?

MONSANTO VENDE NUTRASWEET – UPI Farm News – /jul/99

A Monsanto está vendendo seus negócios no ramo de ingredientes alimentares, inclusive adoçantes NutraSweet.

A receita destas vendas vai auxiliar a empresa química e a gigante da pesquisa agrícola – com sede em St. Louis – a saldar os débitos da compra desmesurada de biotecnologia, entre as quais a de empresas produtoras de semente.

A Monsanto necessitava das produtoras de semente como meio para escoar seu material genético “high-tech” para os agricultores.

Mas a companhia está vendendo empresas para pagar seus débitos resultantes dos investimentos em biotecnologia desde outubro, quando fracassaram os seus planos para fusão com a American Home Products (com sede em New Jersey).

Os negócios na área de ingredientes alimentares incluem a NutraSweet,o adoçante artificial usado em refrigerantes, além de outros alimentos e produtos a base de goma.

O NutraSweet também é vendido como adoçante de mesa sob a marca de Equal. (Negritos acrescentados por Marcos Arruda/PACS) .

Roberta Lombardi Martins
Editorial de Línguas
Editora Scipione
Fone: (11) 3241-2255 r. 226
Fonte:
<http://www.jakobi.com.br/aspartame.htm&gt;

Você Usa Adoçante?

Na certa você já sabe ou ouviu falar que adoçantes artificiais fazem mal à saúde. Mas a classe médica sabe? Claro! O Ministério da Saúde está ciente há muito tempo. Infelizmente, a população, de uma maneira geral, além de ser carente em informações científicas sérias, não tem a educação necessária para se tornar formadora de opinião (conscientização), bem como renda para usufruir do melhor para a sua saúde. Eis a realidade de que padece o povo de nossa América Católica. O Governo consente, os da saúde prescrevem, a indústria enriquece, o tributo cresce e o povo adoece. Rimou!  Adoçantes ou edulcorantes são substâncias que proporcionam a um alimento o sabor doce. Entretanto, nenhum adoçante pode ser considerado como alimento.

A indústria alimentícia não tem compromisso com o ser humano, mas com o negócio. As grandes corporações alimentícias fazem a festa em países emergentes (?) cujo povo tem uma educação superficial. Só o conhecimento, a conscientização e a mobilização podem provocar mudanças de paradigmas. Milhares de pessoas, orientadas ou não por alguns médicos e nutricionistas, fazem uso de algo que mais tarde criará as condições para a doença e a morte do paciente. Obviamente que os efeitos dos adoçantes artificiais não são imediatos. Podem levar anos.

As substâncias tóxicas na alimentação podem até provocar sintomas rapidamente, como alergias, mas, no geral, seus efeitos são acumulativos e multifacetados. Por isso você não pode culpar o médico, o nutricionista ou a indústria alimentícia tão facilmente. Viram como é sutil e inteligente esse processo? As toxinas agregadas nos alimentos funcionam como substâncias homeopáticas, de acordo com o princípio da prática homeopática: “doses infinitesimais” e “medicamento único”. Peixe morre pela boca. E o ser humano? Vejamos o que cada tipo de adoçante pode fazer para o nosso organismo…  Sacarina.

Podemos considerá-la como a avó dos adoçantes artificiais. Em 1977 a comunidade científica alertou ser a sacarina uma substância carcinogênica (provoca câncer). Mas a vovó ainda está aí no mercado, firme e forte. É mais fácil ela nos velar e enterrar do que nós a ela. A sacarina é uma substância artificial derivada do petróleo (tolueno mais ácido cloro-sulfônico), 30 vezes mais doce do que a sacarose. E tem mais. Se você é hipertenso, o seu cardiologista já lhe disse que você é proibido de fazer uso da sacarina? Não?!! Sacarina tem íon de sódio (Na+).  Ciclamato. É 30 vezes mais doce do que a sacarose. O ciclamato é proíbido nos Estados Unidos, Inglaterra e Japão. Atualmente, existem no Brasil diversos adoçantes de mesa à base de ciclamato e sacarina, sendo que os mais vendidos possuem a proporção de duas partes de ciclamato para uma de sacarina. Por isso somos terceiro mundistas. O ciclamato é um sal do ácido N-ciclo-hexil-sulfâmico (CHS).

Tem problema de pressão arterial? É o mesmo problema da sacarina sódica. Por que seu médico ou nutricionista não falaram disso? Pergunte a eles.  Aspartame. Se você conhece alguém que faz uso de antidepressivos ou ansiolíticos, é bom orientá-los para não fazerem uso dessa substância. Segundo um relatório do New England Journal of Medicine, o aspartame pode causar desequilíbrio significativo de aminoácidos e neurotransmissores no cérebro. Um exemplo disso é a redução da disponibilidade do aminoácido triptofano, baixando os níveis de serotonina no cérebro, fato este que causa oscilações de humor e distúrbios do sono.

O aspartame é o adoçante mais utilizado em refrigerantes e bebidas. Há estudos que o enquadram como uma neurotoxina (mata neurônios) e também como carcinogênico (provoca câncer). E não pára por aí. Com o consumo do aspartame, o nosso corpo produz o metanol (álcool de madeira). Essa substância tóxica pode gerar dor de cabeça (cefaléia), desmaio, convulsões, perda de memória, oscilações de humor, depressão, entorpecimento das extremidades, náusea, perturbação gastrointestinal e sintomas de fibromialgia. E os cientistas apontaram que há indícios de o aspartame poder causar elevações nos níveis de insulina.

O gel de Aloe vera possui triptofano. Quem faz uso do gel, não deve usar aspartame.Acefulfame-K (acefulfame de potássio). Essa substância é uma das mais novas, aprovada pela FDA (ANVISA americana) em 1998. Um estudo científico sugeriu que ele poderia estimular a liberação de insulina. Porém, em 1997, um estudo com camundongos concluiu que “diante dos presentes dados significativos de genotoxidade mamífera in vivo, deve-se usar o acefulfame-K com cautela.” Quantas pessoas, na hora do almoço, pega a latinha do refrigerante cola diet e faz “tchiiiiiiii” e, logo após, “glup-glup-glup-glup”? Pense fazendo isso durante anos, o mesmo ritual? Não adianta reclamar mais tarde… Sucralose. Outro adoçante artificial novo na parada.

Irmão gêmeo do acefulfame-K, nascidos em 1998, cuja parteira foi a FDA. A suclarose foi criada pela modificação de moléculas de açúcar para que não sejam digeridas. A suclarose é 600 vezes mais doce do que o açúcar refinado. Como a suclarose é eliminada do organismo sem ser digerida, tem menor potencial de criar complicações do que a sacarina ou o aspartame. Há preocupações quanto ao potencial de a suclarose gerar compostos nocivos à medida que passar pelo sistema digestivo, mas testes em comundongos indicaram que o adoçante foi excretado praticamente inalterado, apenas com metabólitos insignificantes. Porém há motivos para cautela até que mais pesquisas científicas assegurem o seu uso.

Os estudos estão muito recentes ainda.  Stévia. Por fim, existe uma substância que foi enquadrada como adoçante, a Stévia, que é um produto oriundo de uma planta de mesmo nome. É um adoçante que até nos faz bem, sendo 30 a 100 vezes mais doce do que o açúcar refinado. A Stévia é um adoçante natural. Evita cárie e não é metabolizado no organismo. Os índios da América do Sul, em particular do Paraguai, já conheciam a planta Stévia há mais de mil anos e a utilizavam como parte de sua dieta.

Tome apenas cuidado porque existem fabricantes mal intencionados que vendem o produto da Stévia agregado à sacarina e outros adoçantes artificiais. O nome Stévia vende por si só, por isso as indústrias enganam as pessoas desinformadas.

É o mesmo que acontece com a Aloe vera: há empresas que vendem Aloe vera para beber, porém só existe uma empresa no mundo que tem a patente de estabilização (Aloe Vera of America), da qual somos representantes (Forever Living Products).

De resto, você é enganado por comprar extrato de Aloe vera com água. Para fazer qualquer efeito terapêutico o produto à base de Aloe vera deve conter, no mínimo, 30% de gel in natura.

Referência: WURTMAN, R. J. 1983 “NEUROCHEMICAL CHANGES FOLLOWING HIGH-DOSE ASPARTAME WITH DIETARY CARBOHYDRATES” N Engl J Med. 18 de agosto; 309(7):429-30 “Migraine provoked by aspartame” 1986 N. Engl J. Med. 14 de agosto; 315(7):456; MOLLER, S. E. 1991 “Effects of aspartame and protein, administered in phenylalamnine – equivalent doses, on plasma neutral aminoacids, aspartate, insulin and glucose in man”, pharmacol toxicol, 68(5):408-412.

http://www.curaeascensao.com.br/alimentacao_saude/alimentos/alimentos15.html

REFRIGERANTE – Água, gás carbônico e cor.

fanta

COMPOSIÇÃO: água gaseificada, açúcar, suco natural de laranja 10%, acidulante INS 330, conservante INS 211, estabilizantes INS 444 e INS 480, aroma sintético idêntico ao natural, corante artificial INS 110 (amarelo-crepúsculo), antioxidante INS 300.

Água gaseificada

Para que o refri tenha as famosas bolhas, água a gás carbônico são combinados no carbonizador – um aparelho que comprime e dissolve o CO2 na água. O resultado é um ácido líquido, o ácido carbônico, ou água gaseificada. Já dentro da embalagem, os refrigerantes recebem uma dose extra de gás carbônico para conservar a bebida. Quando você abre a garrafa, ele foge imediatamente.

Acidulante INS 330

A sigla INS vem de International Number System, o sistema numérico padrão para aditivos químicos. O 330 é o velho ácido cítrico. Ele deixa a bebida mais ácida, reduz os micróbios presentes ali e também é responsável pela sensação refrescante do refrigerante. O ácido cítrico é produzido por um fungo, o Aspergillus niger, durante a fermentação do melado de cana-de-açúcar.

Estabilizantes INS 444 e 480

Servem para que o refrigerante não separe a água dos óleos essenciais durante o prazo de validade, mantendo o gosto da bebida. Sem eles, a Fanta teria tudo, menos gosto de laranja. Bebidas energéticas e sucos também agradecem: com esses dois aditivos, cada gole é igual ao outro.

Corante artificial INS 110

Sintetizado a partir da tinta de alcatrão, o corante amarelo-crepúsculo está em quase tudo que é cor de laranja, como balas, cereais, xaropes. Pessoas com asma ou hipersensibilidade à aspirina podem ter reações adversas, como rinite – por isso, o INS 110 foi proibido na Finlândia e na Noruega.

Antioxidante INS 300

Um nome difícil para o ácido ascórbico, também conhecido como vitamina C. Serve para evitar que a bebida sofra oxidação e o aroma permaneça igual.

SALSICHA – Tem besouros em pó, fumaça em pó e até carne.

salsichas

COMPOSIÇÃO: carne mecanicamente separada de ave, pele e miúdos suínos (fígado, rins, coração), carne suína, gordura de ave, água, proteína texturizada de soja, amido (máx. 2%), sal, açúcar, alho. Estabilizante tripolifosfato de sódio, aroma de fumaça, glutamato monossódico, conservante nitrito de sódio, antioxidante eritorbato de sódio, corantes urucum e carmim de cochonilha.

Carne mecanicamente separada

No início, é o frango. Depois que a desossa manual tira o peito, a coxa e a sobrecoxa, o que sobrou vai para a prensagem mecânica. Ali é extraída a carne dentre os ossos, que sai da peneira em forma de pasta. Sem esse processo, boa parte da carne iria para o lixo. É nojento – e mais barato.

Pele e miúdos suínos

Se só tivesse carne, a salsicha seria dura e cara. A pele de porco cozida é fonte de proteína de gordura e de colágeno (uma gelatina que deixa a mistura macia). O coração dá cor à massa, já que é rico em mioglobina (o pigmento vermelho da carne). Já os outros componentes (fígado e rins) não têm função certa: servem mesmo para encher lingüiça, ou melhor, salsicha.

Água, proteína de soja e amido

Uma invenção brasileira. Para substituir parte da gordura, as indústrias nacionais usam água. Para reter essa água, é preciso adicionar proteína de soja e amido (fécula de mandioca). Essa soma reduz a quantidade de gordura – enquanto as salsichas estrangeiras têm até 30% de gordura, as nacionais levam de 20% a 22%.

Tripolifosfato de sódio

Coadjuvante do sal, ajuda a manter a gordura misturada à massa. A salsicha poderia passar sem o tripolifosfato: ele é prescindível do ponto de vista tecnológico e tem muito sódio – um problema para hipertensos. Por isso, é evitado na Alemanha e na Suíça.

Aroma de fumaça

É como comer fumaça em pó. A fábrica destila a fumaça na água, filtra as impurezas e seca a solução. O pó restante é acrescentado à massa, dando aquele sabor de defumado à lingüiça.

Corante de urucum

Usado como maquiagem por índios brasileiros, o urucum dá a cor da capa da salsicha. O Brasil usa urucum na salsicha porque, aqui, ela só vende se for colorida. Mas a lei proíbe urucum na parte interna – que poderia mascarar uma possível falta de carne.

Carmim de cochonilha (INS 120)

Parece piada, mas esse corante é extraído da fêmea do Dactylopius coccus, um inseto que não mede mais de 5 milímetros. Secado ao sol e depois triturado, o besouro vira um corante vermelho usado em iogurtes, sorvetes, recheios de bolachas. O problema é juntar tantos insetos: para cada quilo do pigmento, vão 150 000 bichos!

KATCHUP – Ele é mais natural do que você imagina.

catchup

COMPOSIÇÃO: polpa de tomate, vinagre, sal, espessantes (goma xantana e pectina) açúcar, conservantes (ácido sórbico e cloreto de cálcio).

Goma xantana

Trata-se de meleca de bactérias. Esse carboidrato gelatinoso vem das bactérias Xanthomonas, uma praga que ataca verduras e a cana-de-açúcar, vivendo de sacarose. Na indústria, elas são criadas para virar uma gosma, que dá consistência a sucos, sorvetes, xaropes, cremes dentais. Também é usada em tintas de parede e até para lubrificar brocas de perfuração de petróleo.

Ácido sórbico

Sem ele, o ketchup ficaria com uma camada branca ou cinza em poucos dias. O ácido sórbico evita que apareçam bolores e leveduras em alimentos ácidos, como refrigerantes, iogurtes e maionese. Extraído da tramazeira, uma árvore que dá frutinhos vermelhos, é um dos conservantes mais eficientes e menos tóxicos que existem – faz menos mal que o sal de cozinha ou o vinagre.

Cloreto de cálcio

Esconde do sabor a acidez do ketchup – mas não a elimina, já que a acidez inibe microorganismos. O cloreto de cálcio une os ingredientes, evitando que a água se separe da mistura. Fora da cozinha, aparece no extintor de incêndio e até em misturas de concreto, para reduzir o tempo de endurecimento do cimento. Na concentração usada em alimentos, não faz mal à saúde.

Pectina

Sabe aquela casca branca da laranja? Ela é cheia do polissacarídeo pectina, o principal componente da parede celular dos vegetais. Da casca da laranja e dos resíduos da polpa da maçã, se extrai o suco de pectina. Quando está em meios ácidos e doces, como o ketchup, esse suco deixa a massa cremosa, ajudando a goma xantana a tornar o resultado mais consistente.

FONTES: http://super.abril.com.br/ciencia/contem-besouros-plastico-cimento-fungos-bacterias-bombas-446937.shtml
Pedro Eduardo de Felício, professor da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp (salsicha); Carmen Silvia Fávaro Trindade, professora de Engenharia de Alimentos da USP (refrigerante e ketchup); empresa Unilever do Brasil (ketchup); Associação Brasileira de Cosmetologia (xampu e creme de barbear); Marcelo Guimarães, professor de farmacotécnica e cosmetologia da Universidade Mackenzie e da Faculdade de Medicina da Fundação do ABC; e Mônica Camargo, pesquisadora do Centro de Química e Nutrição Aplicada (Ital).

Azeites: extravirgens só no rótulo
31 outubro 2013

A PROTESTE testou 19 marcas de azeites extravirgens e constatamos que, 7 são virgens e 4 têm indícios de fraude contra o consumidor, já que pelos padrões da lei, não podem ser considerados azeites.

Se você costuma optar pelos azeites extravirgens por acreditar que eles sejam mais puros, saborosos e saudáveis, é melhor tomar cuidado, pois você pode estar sendo enganado.

Das marcas de azeites que testamos, boa parte dos que se dizem “extravirgens”, na verdade, não passa de “virgens” e alguns são até “lampantes”.

A PROTESTE já realizou quatro testes com esse produto, e, este foi o que teve pior resultado, com o maior número de fraudes contra o consumidor.

Verificamos se havia produtos adulterados, ou seja, comercializados fora das especificações estabelecidas por lei. E, também que preço e renome nem sempre são sinônimos de maior qualidade. O melhor do teste foi, de fato, o que custa mais caro entre os testados. Porém, nossa avaliação mostra que há outros produtos de boa qualidade que custam bem menos.

Fizemos a análise sensorial em laboratório reconhecido pelo Conselho Oleico Internacional (COI). Eles avaliaram a qualidade das amostras quanto ao aroma, à textura e ao sabor de acordo com parâmetros técnicos. Segundo a legislação, em azeites extravirgens não podem ser encontrados defeitos na análise sensorial.

Analisamos diversos parâmetros físico-químicos para detectar possíveis fraudes:

  • Presença de óleos refinados;
  • Adição de óleos obtidos por extração com solventes;
  • Adição e identificação de outros óleos e gorduras;
  • Adição de outras gorduras vegetais;

Na análise sensorial, apenas oito marcas tinham qualidade de azeite extravirgem de acordo com os especialistas. Entre as outras, sete alcançaram defeitos que, pela legislação, as caracterizavam como azeites virgens. São elas:

  • Borges
  • Carbonell
  • Beirão
  • Gallo
  • La Espanhola
  • Pramesa
  • Serrata

As quatro marcas com problemas de fraude foram também consideradas, pela análise sensorial, como azeites lampantes. São elas:

  • Tradição
  • Quinta da Aldeia
  • Figueira da Foz 
  • Vila Real

 

Nosso teste revelou que nem todos os produtos testados não podem sequer ser considerados azeites segundo os padrões da lei, mesmo com acidez dentro do limite.

azeites de oliva reprovados

O produto que recebeu a avaliação de melhor do teste foi o Olivas do Sul, que foi o melhor produto na análise sensorial, o seu valor varia de R$ 19,76 a R$ 23,90.

azeite de oliva oliva do sul

E, o produto que recebeu a avaliação de escolha certa foi da marca Carrefour (origem Itália) que também teve um bom desempenho geral no teste e seu valor varia entre R$ 7,69 e R$ 15,29.

azeite de oliva carrefour

Caso você não encontre a nossa escolha certa na hora de realizar sua compra, você pode optar por outros produtos que também receberam uma avaliação positiva em nosso teste, confira os resultados na nossa tabela.

 

teste de azeite proteste

Teste de azeite de oliva: pior resultado entre os quatro já realizados pela Proteste
25/12/2013

A Proteste Associação de Consumidores testou 19 marcas de azeite extravirgem e constatou que quatro têm indícios de fraude contra o consumidor. Na análise sensorial, apenas oito delas apresentam qualidade de extravirgem. Sete são virgens. Uma das marcas avaliadas, Borges, cujo azeite era virgem, em lugar de extra virgem, como indicado na rotulagem, tentou obter censura prévia na justiça antes mesmo da divulgação dos resultados. O juiz Gustavo Coube de Carvalho, da Nona Vara do Fórum Central de São Paulo contudo, negou a liminar.

O juiz disse na sentença que não há previsão de censura prévia no ordenamento jurídico brasileiro, cabendo ao ofendido “o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem“, nos termos do art. 5º, incisos IV e V, da Constituição Federal.

De quatro testes que a Proteste já realizou com esse produto, este foi o que teve pior resultado, com o maior número de fraudes contra o consumidor. Foram detectados indícios de fraude nas marcas de azeite de oliva extravirgem: Figueira da Foz, Tradição, Quinta d’Aldeia e Vila Real. Os quatro produtos foram desclassificados do teste, pois não poder sequer ser considerados azeites. As propriedades antioxidantes do azeite de oliva são os grandes atrativos desse produto, devido ao seu efeito benéfico à saúde. Mas para que o azeite mantenha suas características, é importante que ele não seja misturado a outras substâncias. Assim, as fraudes, além de serem um abuso contra o consumidor, podem reduzir ou até eliminar as qualidades benéficas para a saúde.

Os quatro, na verdade, são uma mistura de óleos refinados, com adição de outros óleos e gorduras. Em diversos parâmetros de análise, essas marcas apresentaram valores que não estão de acordo com a legislação vigente. Os testes realizados indicaram que os produtos não só apresentam falta de qualidade, como também apontaram a adição de óleos de sementes de oleaginosas, o que caracteriza a fraude.

Outros sete não chegam a cometer fraude como esses, mas também não podem ser vendidos como extravirgens. O consumidor paga mais caro acreditando estar comprando o melhor tipo de azeite e leva para casa um produto de qualidade inferior.

Não é a primeira vez que a Proteste detectou fraude nesse tipo de alimento e, novamente, vai notificar o Ministério Público, a Anvisa e o Ministério da Agricultura, exigindo fiscalização mais eficiente. Nos três testes anteriores, foram detectados problemas. Em 2002, foram avaliados os virgens tradicionais e foi encontrado fraude. Em 2007, a situação se repetiu com os extravirgens. Em 2009, uma marca se dizia ser extravirgem e não era. Isso demonstra que os fabricantes ainda não recebem a fiscalização necessária.

É considerado fraude quando o produto é comercializado fora das especificações estabelecidas por lei. Para as análises, foram considerados diversos parâmetros físico-químicos para detectar possíveis fraudes: espectrofotometria (presença de óleos refinados); quantidade de ceras, estigmastadieno, eritrodiol e uvaol (adição de óleos obtidos por extração com solventes); composição em ácidos graxos e esteróis (adição e identificação de outros óleos e gorduras); isômeros transoleicos, translinoleicos, translinolênicos e ECN42 (adição de outras gorduras vegetais).

Na análise sensorial, defeitos ficam óbvios

Para a análise sensorial, convidamos especialistas para avaliar a qualidade das amostras quanto ao aroma, à textura e ao sabor de acordo com parâmetros técnicos. Segundo a legislação, em azeites extravirgens não podem ser encontrados defeitos na análise sensorial. Nessa avaliação, apenas oito marcas tinham qualidade de azeite extravirgem de acordo com os especialistas. Entre as outras, sete tinham defeitos que, pela legislação, os caracterizavam como azeites virgens. São elas: Borges, Carbonell, Beirão, Gallo, La Espanhola, Pramesa e Serrata. As quatro marcas com problemas de fraude foram consideradas, pela análise sensorial, como azeites lampantes.

Para os especialistas, o produto mais apreciado foi o Olivas do Sul. Outros bem avaliados foram os azeites Cocinero e Carrefour.

Todas as marcas testadas foram: Olivas do Sul; Carrefour; Cardeal; Cocinero; Andorinha; La Violetera; Vila Flor; La Espanhola; Carbonell; Serrata; Beirão; Qualitá; Gallo; Pramesa; Borges; Tradição; Quinta da Aldeia; Figueira da Foz e Vila Real.

Entre as marcas testadas podem ser considerados extravirgem: (Olivas do Sul; Carrefour; Cardeal; Cocinero; Andorinha; La Violetera; Vila Flor; Qualitá); são virgens: (La Espanhola; Carbonell; Serrata; Beirão; Gallo; Pramesa; Borges); e são mistura de óleos refinados: (Tradição; Quinta da Aldeia; Figueira da Foz e Vila Real).

A Proteste também verificou que nem sempre vale a pena optar pelo mais caro. Preço e renome nem sempre são sinônimos de maior qualidade. O melhor do teste foi, de fato, o que custa mais caro entre os testados. Porém, a avaliação mostra que há outros produtos de boa qualidade que custam bem menos.

Referências:
http://www.proteste.org.br/alimentacao/nc/noticia/azeites-extravirgens-so-no-rotulo
http://www.proteste.org.br/alimentacao/nc/noticia/azeites-a-escolha-certa
http://jornalggn.com.br/blog/proteste-associacao-de-consumidores/teste-de-azeite-de-oliva-pior-resultado-entre-os-quatro-ja-realizados-pela-proteste

Curso grátis online da Universidade de São Paulo

Ementa
O Curso de Suplementação Nutricional Aplicada ao Exercício discutirá Suplementação Esportiva, Bioenergética e Integração metabólica no Exercício, Suplementação de Carboidratos, Hidratação no Exercício Físico, Suplementação de Vitaminas e Minerais no Exercício, Suplementação de Proteínas e Aminoácidos, Suplementação de Tamponantes e Cafeína e Suplementação de Creatina.

Objetivo
Transmitir conhecimentos científicos acerca do uso de suplementos nutricionais para praticantes de atividade física.

http://www.eaulas.usp.br/portal/video.action?idItem=3758